EUA voltam a afirmar que Del Nero, Marin e Teixeira receberam milhões em propina

Del Nero, Marin e Ricardo Teixeira são acusados pelo governo dos EUA de terem pedido e recebido propina Foto/GloboEsporte.com Del Nero, Marin e Ricardo Teixeira são acusados pelo governo dos EUA de terem pedido e recebido propina

Promotores americanos acusam cartolas sul-americanos de "tentar manter o poder" mesmo depois das primeiras prisões no caso Fifa. Trio se diz inocente

São Paulo - O governo dos Estados Unidos voltou a afirmar, em um documento tornado público nesta sexta-feira, que o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, assim como seus dois antecessores – José Maria Marin e Ricardo Teixeira – pediram e receberam subornos e propinas milionárias de empresas de marketing esportivo.

Os três se dizem inocentes e negam as acusações. José Maria Marin está em prisão domiciliar em Nova York enquanto aguarda julgamento, marcado para o dia 6 de novembro. Del Nero e Teixeira estão no Brasil, onde não são acusados de nenhum crime.

No documento de 59 páginas, a promotoria americana detalha as acusações contra Marin e outros dois cartolas, Manuel Burga, ex-presidente da Federação Peruana de Futebol, e Juan Angel Napout, ex-presidente da Conmebol.

Os três estão em prisão domiciliar nos EUA enquanto aguardam julgamento, marcado para o dia 6 de novembro. Eles são os únicos no "Caso Fifa" que se declaram inocentes e, por isso, se recusam a colaborar com as autoridades.

O fato de todos os outros indiciados (são 40) terem se declarado culpados levou os promotores a refazerem a peça de acusação, tornando-a mais simples e direta. Agora, Napout, Burga e Marin terão que comparecer novamente ao Tribunal para dizer se são culpados ou inocentes.

Contra Marin, são seis acusações (três de fraude e três de lavagem de dinheiro) relacionadas a contratos da Copa América, Copa Libertadores e Copa do Brasil, além de uma acusação de participar de uma organização criminosa.

Embora sejam citados várias vezes no documento, de 59 páginas, não há acusações formais contra Del Nero e Teixeira – porque os promotores americanos não têm informações oficiais sobre eles.

Os empresários Alejandro Burzaco e José Hawilla são apontados como os responsáveis por pagar milhões de dólares em propinas para cartolas sul-americanos. Tanto Burzaco quando Hawilla se declararam culpados e colaboram com a justiça americana.

A peça de acusação das autoridades americanas cita que houve várias mudanças no comando da Conmebol entre 2011 e 2013, como a saída de cena de Ricardo Teixeira (em 2012), acossado por denúncias de corrupção.

– As novas lideranças mantiveram em funcionamento esquemas crimisos em violação de seus deveres [...] Em vez de reparar o dano causado para as instituições, os conspiradores continuaram a cometer as mesmas práticas fora da lei que enriqueceram seus antecessores.

Veja abaixo a reprodução de dois dos trechos que mencionam Marin, Del Nero e Ricardo Teixeira:


Neste trecho, promotores acusam Teixeira, Del Nero e Marin de pedir e receber propina referente a Copa Liberadores - Foto/Reprodução


Na página 44 da acusação, promotores afirmam que Teixeira, Del Nero e Marin pediram e receberam propina do empresário J. Hawilla referentes a contrato da Copa do Brasil - Foto/Reprodução

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.